quarta-feira, 6 de fevereiro de 2008

Porque os programas crescem tanto?

Cada vez que vou baixar a nova versão de um programa, fico me perguntando: por que o tamanho dos arquivos aumenta tanto? Você pode bem dizer que é por causa dos novos recursos, tipos de arquivos suportados e um monte de outras adições.

A pergunta de 1 Milhão de Reais (não é o BBB8) é: Realmente precisamos dessas funções?

Vou dar um exemplo bem simples: o Winamp, um dos mais conhecidos tocadores de mp3. Durante anos esse programa foi o meu player favorito, mas durante a última atualização me peguei refletindo se realmente valia à pena continuar a usá-lo.


A versão lite já tem 5,5 MB e ainda baixa um monte de coisas na instalação. Tem uma versão lá no site com 17 MB!!!!!!

Acabei por listar alguns dos recuros que nunca uso e que pra mim são plenamente dispensáveis:

- Reprodução de vídeo;
- Visualizações;
- Ripador e gravador de cds;
- Navegador web;
- Biblioteca de mídia;
- Suporte a trocentos tipos de arquivos que eu nunca vi na vida.
- Codificador de áudio;
- Uma porrada de outras inutilidades.

Uma excelente alternativa ao Winamp é o XMPlay, um tocador de apenas 384 Kb que cumpre seu papel principal - tocar mp3 e outros formatos de áudio - e oferece uma boa coleção de skins (inclusive um para ficar com a cara do winamp) e plugins.


No XMPlay senti falta do controle na bandeja do sistema (pause/prox. faixa) e da exibição das capas dos álbuns, mas são apenas firulas que dá dê pra viver sem.

Fica ai mais essa dica! Comente!

Um comentário:

Amenophis disse...

Para quem não sabe, ainda é possível usar o Winamp 2.91 (~ 2,2MB) que, entre todas essas funcionalidades listadas, faz e bem feito. Pode ver as letras no site do terra, ver vídeos e o escambal a quatro. Não listo tudo porque faz tem que uso Windows e não tenho memória boa. Mas é isso aí...