sexta-feira, 4 de abril de 2008

O Homem da Prestação

Lembro que quando eu era pequeno, quando estava na casa da minha avó, algumas vezes ouvia alguém lá fora gritando: “Dona Luzia, chegou o homem da prestação”.

Era um camarada que empurrava um carro de mão lotado de bugigangas. Tinha de tudo: espelhos, colcha para cama, porta-retratos, cabides para roupa, redes, etc., etc., etc.

Aqui na cidade é comum vermos esse tipo de comércio informal, de porta em porta, principalmente nos bairros de baixa renda, onde o pessoal não tem crédito na praça. Não porque não paga, mas porque não tem trabalho formal ou comprovação de renda.


Isso sem falar nos vendedores ambulantes que oferecem de tudo: chaveiros, óculos, carteiras, relógios, brinquedos infláveis e todo tipo de treco.

Lembrei de um excelente filme que assisti um tempo atrás: DE PORTA EM PORTA, que conta a história de um rapaz deficiente que não aceita ser sustentado pela mãe, e quer trabalhar mesmo com dificuldades de fala e locomoção. Ele consegue um trabalho como representante de uma empresa que vende produtos em catálogos (Eu já falei da minha fixação por catálogos? Acho que sim! = ) ) e se torna um dos maiores vendedores da companhia.


Pois é, nunca comprei nada aos ambulantes, mas o filme...

PROFESSOR ABRAHAO RECOMENDA

Um comentário:

stella halley disse...

Professor Abrahão, o filme é mesmo maravilhoso. Para minha surpresa, o vendedor ainda vende, através de página na internet! Um exemplo de vida.